terça-feira, 30 de setembro de 2008

O Ativista





Estêvão, PhD em Botânica e ferrenho ecologista, namorava à beira do lago. Diana, a namorada, ouvia, com interesse, a explanação de Estêvão acerca do crescimento, morfogênese e reprodução das algas marinhas bentônicas do Mar Báltico durante o equinócio da primavera e sua importância para o equilíbrio do ecossistema marinho. Foi quando ele lançou uma pedra nas águas do lago, atingindo acidentalmente a cabeça de um peixe, que boiou, biologicamente morto. Calado e cabisbaixo, também jogou no lago sua carteira de ativista do Greenpeace.

Carlos Cruz – 06/06/2007

Um comentário:

Marcelo disse...

Acho que ele se precipitou. Deveria ter ido checar se o peixe teve morte cerebral. Se constata-se isso, poderiam doar seus orgão para um purê em um restaurante de frutos do mar carente..

rs
rs

Muito bom.