segunda-feira, 4 de agosto de 2008

O Último dos Moicanos



Assistiu, com tremendo desprazer, seus semelhantes rasparem os cabelos e tatuarem suásticas nos braços, nas costas, nos tórax, nas nádegas e nas testas.
Agora, sozinho na metrópole, diferente, perseguido e acuado, vê-se em um beco sem saída, à mercê da salivante gangue de emos que aproxima-se ameaçadoramente. Sem vislumbrar melhor desfecho para o crucial impasse existencial, decide praticar o "do it yourself", antigo lema do outrora glorioso movimento punk. Espada em riste, impiedosa e impetuosamente, ataca. Sodomiza um, dois, três, quatro. O suor escorre copioso testa abaixo, provocando ardência nos olhos; a camisa, com a gravura de Sid Vicious, empapa. Exausto, espada vacilante, percebe a iminência do amargo fim. Os emos são muitos, jovens como o movimento do qual são sectários, vorazes, insaciáveis, multiplicam-se como baratas. Quando tudo parece perdido, eis que surge a salvação, ela é careca, musculosa, tatuada e bastante numerosa. Por deliberação unânime em assembléia, os carecas decidiram acrescentar à sua negra lista, na qual já constavam negros, judeus, orientais e nordestinos, os integrantes do movimento Emo. Caíram sobre eles aos socos ingleses, tapas e pontapés. Ao final do rápido e fulminante ataque, a praça era um mar de corpos maquiados, franjas, cabelos coloridos e roupas pretas espalhafatosas. O combate terminara com baixas maciças em apenas um dos polos.
Minutos depois, vieram os judeus ortodoxos que dizimiram os skins. Depois, apareceram os palestinos que destroçaram os semitas. O moicano virou crente de terno, gravata, Bíblia e cabelo moicano, que virou moda.
Alheio a tudo, o mundo prosseguiu seus movimentos ao redor do sol e de si mesmo, azul, redondo e careca como uma bola de bilhar.

Carlos Cruz - 04/08/2008

3 comentários:

Marcelo disse...

Tirar a espada para fora na frente de um monte de EMO é correr o risco.. risco de haver uma fila para atendimento feita por eles... Enquanto um é atendido, os outros lembram de músicas que os emocionam... e choram com suas franjinhas sobre os olhos...

Lincoln disse...

Rótulos, classificações, nomenclaturas, religiões, termos, denominações.Todo tipo de tribo para gente de todo tipo, tipo estranho, tipo esquisito; Se o legal é ser diferente por que impor a nossa diferença a todo tipo de tribo?

Gostei do texto !!!

Lincoln.

Angelica disse...

Eu realmente gosto deste texto! Eu amo a liberdade, e todos aqueles que se sentir jovem para sempre. Recentemente, minha mãe, que tem 70 anos, tingiu o cabelo de duas cores. são divertido seu cabelos coloridos! beijos!